Depressão pós-parto: Conheça o tratamento para a doença!

Depressão pós-parto: Conheça o tratamento para a doença!
Rate this post

Qualquer mulher que acabou de dar à luz pode sofrer depressão pós-parto sem causa aparente. A queda súbita de hormônios experimentada pelo corpo da mulher após o parto é responsável pela depressão pós-parto. Entretanto, essa variação hormonal pode ser mais branda para algumas e mais forte para outras.

Depressão pós-parto qual a frequência

A depressão pós-parto ocorre sem que a mulher se dê conta. Com o parto há uma queda no nível progesterona e estrógeno o que leva a mudanças hormonais que podem desencadear uma tristeza profunda. Nessa situação, com o fim da gravidez a mamãe passa a ter alterações de humor, sentir cansaço e tristeza, além de ter a sensação que é menos atraente e esses elementos é que muitas vezes leva a uma depressão pós-parto.

Existem muitas situações em que a depressão é leve e pouco tempo por si só se cura, por outro lado, tem circunstancias mais graves em que a mãe começa a evitar o filho, a ponto de até de colocar em risco a vida do bebê.

Estudos atuais realizados com mães brasileiras demonstraram que casos de depressão pós-parto no Brasil estão acontecendo muito mais. Estima-se que aproximadamente 1 a cada 4 mulheres brasileiras sofra com essa forma de depressão.

Sintomas da depressão pós-parto

Há depressão pós-parto muitos sintomas que as mães podem apresentar de modo intenso ou mais leve, conforme cada caso. É preciso estar atento aos os primeiros sinais para que ela possa sair e se curar mais rápido. O que é importante observar é se a mulher que teve bebê recentemente demonstra:

– Estar com autoestima baixa.

– Tristeza o tempo todo, principalmente no horário da manhã e da noite.

– Falta de cuidado consigo mesma.

– Incapacidade de cuidar do bebê

– Evita o filho a todo custo

– Receio de ficar sozinha

– Perder a paciência por motivos fúteis.

– Vontade de chorar quase a todo tempo.

– Mau humor a todo o momento

– Dificuldade de concentração

– Arrependimento constante

– Vontade de sumir

– Pensamentos negativos

– Querer que o filho tivesse nascido

Esses são alguns dos sinais que podem surgir em casos de depressão pós-parto, no entanto, não quer dizer que cada mulher que apresentar algum desses sintomas esteja com depressão.

É imprescindível observar outros sintomas que estejam juntos e ainda ocorrem com muita frequência, afinal muitas vezes, uma mulher pode estar triste por outros fatores.

Tratamento para depressão pós-parto

É mais fácil tratar quando se descobre a depressão pós-parto quando se descobre o que está acontecendo logo nos primeiros sinais. O tratamento ideal é o realizado por psicólogos e com auxilio de recursos naturais, por causa da amamentação.

A medicação que é indicada em quadros de depressão passa para o leite, desse jeito, se a mulher for fazer o tratamento com esses remédios tem de parar de amamentar. As principais estratégias para um tratamento natural são:

– Exercícios físicos leves

– Alimentos com Ômega 3

– Massagens relaxantes

– Acompanhamento com psicólogo.

Também existem outras medidas populares que são recomendadas para tratar naturalmente a depressão pós-parto. Algumas dessas dicas são:

Potássio: Comer banana, tomate ou outros alimentos que sejam ricos em potássio, se houver uma grande sensação de exaustão.

Geleia real: Ingerir geleia real, uma colher de manhã e outra à tarde. A geleia real é rica em vitamina B e ajuda como um tônico para o corpo, além de proporcionar uma sensação de bem-estar.

Manjerona e lavanda: Ferver, por 10 minutos, um punhado de flores de manjerona e lavanda com 3 litros de água. Retirar do fogo e deixe descansar. Depois, banhe-se com o corpo mergulhado em uma banheira por pelo menos 15 minutos.

Melissa: Colocar algumas folhas secas de melissa em 1 litro de água fervente. Cobrir e deixe descansar por 30 minutos. Depois desse tempo, é só coar e adicionar a uma banheira e mergulhar por não mais de 15 minutos a uma temperatura de 36 ° C. Repetindo o procedimento quatro vezes por semana.

Romero: Despejar uma xícara de chá de alecrim em um banho de água morna para aumentar a energia e otimismo também é outra recomendação.

Descanso: Repousar o suficiente é outra forma de ajudar, pois a fadiga contribui para a depressão e dificulta a superação.

Alimentação saudável: Manter uma dieta adequada, rica em vegetais crus e frutos muito saudáveis, não só é bom para a mãe com depressão pós-parto, mas também para o bebé.

Eliminação de açucares: Evitar açúcar refinado e carboidratos simples

Alimentação de 3 em 3 horas: Fazer várias refeições em pequenas quantidades

Caminhadas: Andar ao ar livre em locais de preferencia com muita natureza serve para elevar o espírito.

Respirar: Respirar profundamente sempre que se sentir cansado, faz com que o oxigênio que entra para o corpo ajude a revitalizar as energias perdidas.

Sem mudanças: Evitar alterações significativas. Recomenda-se não iniciar um novo trabalho, não se mudar de casa ou cidade ou redecorar.

Pensamentos positivos: Evitar preocupações tanto quanto possível e tenha pensamentos alegres e de coisas boas que tragam felicidade.

Quando essas dicas não funcionam, a mãe deve procurar um médico que pode indicar o uso de remédios antidepressivos e, consequentemente, a suspensão da amamentação.

Depressão pós-parto afetar homens?

Estudos comprovam que uma depressão pós-parto, ou seja, nascimento do filho pode afetar homens. Quando a mãe sofre dessa disfunção, há um alto risco de pai da criança também desenvolver um quadro de depressão, graças ao desgaste e a cobrança que recebe nessas situações.

Além disso, existem casos que a mulher não tem depressão, mas o homem sim. A depressão pós-parto masculina acontece em papais de ”primeira viagem”. Após o nascimento da criança se perceber os sintomas no pai e que são semelhantes a depressão pós-parto da mulher.

Do mesmo modo que a mulher, é necessário que o homem procure a ajuda de um especialista assim que os sintomas da doença aparecerem para iniciar um tratamento. Se for um caso grave também se recomenda o uso de antidepressivos.

Leave a Reply