Labirintite

Labirintite
Rate this post

A labirintite é uma doença caracterizada por uma inflamação na estrutura interna do ouvido, afetando os nervos que ligam essa estrutura ao cérebro. Por conta dessa proximidade com o órgão mais essencial do corpo humano, a labirintite é uma doença muito preocupante e que afeta boa parte da população. Além de afetar a audição, essa doença também desencadeia um quadro de vertigem e tontura, por afetar a estrutura do vestíbulo, um conjunto de órgãos do ouvido interno responsável pela detecção de movimentos corporais e, portanto, do equilíbrio do corpo. Essa estrutura também é conhecida como labirinto, provindo daí o nome da enfermidade. Através do movimento do líquido presente no interior dessa estrutura óssea, o labirinto transmite informações ao cérebro acerca da posição do corpo.

O diagnóstico dessa doença é algo problemático, porque os sintomas da labirintite não se limitam a ela, podendo fazer parte de outros quadros clínicos. Em boa parte dos casos, a labirintite desaparece da mesma forma que apareceu, autonomamente. O organismo se autorregenera da inflamação. Com a persistência dos sintomas, contudo, o médico deverá ser consultado. Alguns remédios ajudam a controlar os sintomas de maior gravidade. Nos casos mais graves, a terapia de reabilitação vestibular pode ser necessária para o retorno do equilíbrio e da saúde da audição.

 

O que causa a labirintite?

 

A labirintite, como o próprio sufixo denuncia, provém de uma inflamação na estrutura do labirinto. Essa inflamação é desencadeada por uma infecção, em geral resfriado ou gripe. Por conta disso, não há correlação entre fatores hereditários e atávicos e o aparecimento da moléstia. Contudo, a labirintite pode sim ter uma conexão com fatores genéticos, mas apenas em casos de suma gravidade, como contato com componentes químicos fortes ou radioativos, doenças raras e outras ocorrências igualmente improváveis.

Não há uma causa única para a labirintite. A medicina, todavia, relaciona a ocorrência da labirintite com uma série de fatores de risco, em geral correlatos a hábitos de vida corriqueiros do ser humano. A inflamação pode ser contraída por ação de organismos estranhos, como vírus ou bactérias, ou ainda ser ocasionada por fatores emocionais e psicológicos, relacionados a picos de estresse e ansiedade.

Os principais fatores de risco incluem o consumo exagerado de substância como álcool, tabaco, café e alguns medicamentos, hábitos alimentares inadequados, níveis altos de ácido úrico, colesterol e triglicérides, hipertensão, diabetes e idade avançada. Isso aponta para um dos principais meios de profilaxia contra a labirintite: uma alimentação saudável e balanceada. Manter uma dieta regular ajuda tanto na prevenção quanto no tratamento da doença. Uma dica valioso é evitar o consumo excessivo de bebidas alcoólicas, confeitos, frituras gordurosas e carboidratos.

 

Sintomas

 

Os sintomas da labirintite, como já mencionamos, afetam as estruturas do ouvido interno em íntima conexão com o cérebro. A inflamação no vestíbulo provoca um ruído na informação transmitida ao cérebro no tocante ao equilíbrio, levando a tontura e sensação de vertigem, o sintoma mais conhecida dessa doença. Contudo, por afetar outras estruturas do ouvido, a labirintite vai além de seu principal sintoma e pode provocar ainda mais danos ao corpo.

Entre esses sintomas mais graves podemos mencionar enjoos, vômitos, sudorese excessiva, sensação constante de desequilíbrio, zumbido, audição prejudicada e sensivelmente diminuída, complicações no sistema gastrointestinal (causadoras das náuseas, enjoos, vômitos etc.), queda de cabelo e, nos casos gravíssimos, perda da audição.

 

Tratamento

dieta.blog.br labirintite-tem-cura-total-labirintite-tratamento-natural

 

É por conta desses e outros sintomas que o tratamento dessa doença é essencial, a fim de se evitar sintomas mais duradouros. Antes de começar o tratamento propriamente dito, é preciso ter um diagnóstico médico confiável da doença. Como já dissemos anteriormente, os sintomas provocados pela labirintite não são exclusivos dessa enfermidade. Portanto, em caso de suspeita de labirintite, procure uma segunda opinião médica e mais uma bateria de exames, para confirmar o diagnóstico.

Até porque o tratamento da labirintite é feito com medicamentos notadamente potentes, com uma forte ação no organismo. Os efeitos colaterais podem provocar ainda mais problemas que os sintomas inicialmente sentidos, como tremedeiras em excesso nas mãos. Então, o tratamento dessa doença só pode ser feito com a medicação prescrita pelo profissional de saúde, e sob um regime muito controlado.

Como mencionado, a causa da labirintite pode ser um vírus ou uma bactéria, que infectam o organismo. Quando há o influxo de bactérias, o médico receita o uso de antibióticos, que devem ser ingeridos com muita cautela. No caso do influxo de vírus, estes costumam morrer de forma autônoma e sem a participação do médica, que prescreve remédios para controlar os sintomas.

Em geral, o corpo costuma resolver a labirintite de forma natural e autônoma. Portanto, o procedimento regular do médico é acompanhar o caso do paciente, tratando os sintomas e aguardando a resposta autônoma do organismo. Quando essa reação não ocorre de forma natural, o médico recorre à prescrição de medicamentos mais fortes, como corticoides, anti-histamínicos e uma série de sedativos, que possuem muitos efeitos colaterais e só podem ser usados de forma estritamente controlada por um profissional de medicina.

 

Redução de danos durante uma crise

 

E no caso de haver uma crise, o que fazer?

O essencial é que o paciente procure manter a calma e a tranquilidade durante os ataques. Evite agitar o corpo, pois isso pode piorar a crise. Em seguida, deve apoiar-se em algum encosto, uma cadeira, um sofá etc., para aguardar o desaparecimento dos sintomas. Caso não seja possível sentar no momento, fixe o olhar em algum ponto específico. Essa técnica costuma ajudar a recobrar um pouco do equilíbrio. Não hesite em buscar ajuda para ser encaminhado para um local seguro e não agitado.

Como já mencionamos, a labirintite é uma doença que pode ter graves e duradouros sintomas no longo prazo caso não seja tratada adequadamente. O controle dos sintomas de curto prazo também passam pela redução de danos nas crises de vertigem, porém o tratamento deve ser intensificado com a devida medicação. Esta deve ser adequada para a gravidade do caso, conforme a recuperação ou não do corpo de forma independente. O risco de uma surdez é muito grande, portanto o médico deve ser consultado com a maior rapidez possível.

Leave a Reply