Tudo sobre a otoplastia

Tudo sobre a otoplastia
Rate this post

Ter orelhas de abano é algo que mexe com a autoestima de uma pessoa, seja ela homem ou mulher. Afinal, quem lida com essa situação precisa se acostumam a ouvir apelidos e risadas sobre o tamanho de suas orelhas.

Por isso, muitas pessoas crescem traumatizadas, e fazem de tudo para esconder suas orelhas. Já outras saem em busca de uma saída cirúrgica para a questão.

Essa solução é a otoplastia, uma cirurgia que se propõe exatamente a isso, a corrigir as temidas orelhas de abano.

Você tem ou conhece alguém que venha lidando com essa questão, gostaria de resolver o problema, mas não sabe como? Então esse texto é para você. Aqui reunimos tudo o que é preciso saber para deixar as orelhas de abano no passado.

O que é a otoplastia?

A otoplastia é uma cirúrgia plástica feita nas orelhas e que pode corrigir, além das orelhas de abano, problemas como traumas, ausência congênita de orelhas e orelhas constritas.

Quem pode fazer a otoplastia?

Na otoplastia, o cirurgião corrige assimetrias de forma, tamanho e angulação, pensando nas orelhas de abano, reduz deformações, corrige malfomações de nascença ou, ainda, em orelhas que sofreram trauma.

Embora haja um grau nas orelhas de abano, que vai do mais leve ao mais grave, a otoplastia é feita de acordo com o grau de incômodo relatado pelo paciente, além de alterações anatômicas existentes nas orelhas.

Para fazer a otoplastia, a pessoa deve ter, no mínimo, entre seis e sete anos, pois nesta faixa etária o crescimento das orelhas já foi finalizado. O período foi pensado, também, para coincidir com a fase escolar, quando crianças com orelhas de abano poderiam se sentir muito incomodadas e intimidadas.

Como a otoplastia é feita?

Na otoplastia, o tipo de anestesia utilizado é a local, com sedação, e o procedimento começa com uma incisão que é feita atrás da orelha, acompanhando a dobra natural da pele.

Depois, o excesso de pele é retirado e, em seguida, é feito o ligamento da cartilagem, deixando-a mais flexível. Quando o paciente tem as orelhas muito grandes, pode ser necessário retirar um pouco desta, para que seu tamanho diminua.

Em seguida, o cirurgião faz pontos de fixação, para que a nova anatomia da orelha se mantenha, e fecha a pele. Os pontos feitos nessa cirurgia são internos e absorvíveis, não sendo necessário retirá-los.

O procedimento é muito rápido, e dura pouco mais de uma hora para ser  completado.

Quais as preparações para a otoplastia?

Antes de realizar a cirurgia, é importante que o paciente passe por uma consulta pré-operatória. Ali, ele poderá tirar todas as suas dúvidas sobre o procedimento.

O médico lhe informará qual seu problema, lhe explicará a solução e mostrará tanto os riscos quanto os benefícios da prática, além de destacar as expectativas com ela.

Em seguida, é necessário fazer todos os exames pré-operatórios, como exames de sangue, como hemograma e de coagulação completo, além de eletrocardiograma.

Além disso, quem se submete a essa cirurgia precisa interromper o uso de medicamentos que alterem a coagulação do sangue, como o AAS (ácido acetilsalicílico), gingko biloba, cascara sagrada e clopidrogrel.

Já os pacientes que tenham hipertensão e diabetes devem continuar tomando seus medicamentos normalmente. É preciso também fazer um jejum de oito horas antes do procedimento.

Como é o pós-operatório?

O paciente que fará uma otoplastia costuma ficar entre oito a doze horas internado.

Depois da operação, é preciso ficar atento aos curativos. Eles são feitos com pomada cicatrizante e gaze, e feitos ao final da cirurgia, devendo ser retirados dentro de um período de 24 a 48 horas, no consultório médico. Caso seja necessário fazer outro curativo, o médico orientará como fazer.

Neste caso, é preciso usar uma faixa de tecido compressiva específica, nos casos de correção de orelhas de abano, retirada apenas para o banho e utilizada 24 horas por dia, durante um mês.

Quando retirar o curativo, o paciente deve deixar a região limpa e seca, limpando a área com cuidado e secando cuidadosamente.

Algumas pessoas podem sentir uma leve sensação de incômodo. Por isso, o médico receitará analgésicos. Caso o paciente sinta uma dor forte, é importante voltar ao consultório médico, para nova análise.

Enquanto a otoplastia estiver cicatrizando, é importante que o paciente não coce a região, porque a pele ainda está inchada, sensível e com  pouca pele, o que pode causar sangramentos ou mesmo infecções.

Depois da operação, os pacientes podem perceber certo inchaço e vermelhidão na área operada, sinais que desaparecerão com o passar dos dias, até sumir por completo.

Para voltar às atividades normais é preciso observar o tipo de procedimento. No caso das crianças, por exemplo, a recomendação é aguardar uma semana até que elas possam voltar à escola, para evitar traumas na área.

Já os adultos podem retomar o trabalho em dois dias. Atividades físicas devem ser feitas com cuidado, priorizando sempre as mais leves, e sem contato com a área operada.

Para quem usa óculos, o recomendável é colocá-lo por cima do curativo, preso com esparadrapo na faixa, cuidando para que não aperta demais a cabeça.

Quando retirar o curativo, cuidado para que os óculos não fiquem muito apertados à cabeça ou atrás da orelha. Já outros pacientes prendem as hastes dos óculos na faixa que usarão por 30 dias.

Depois da cirurgia, é preciso voltar ao consultório médico entre 24 a 48 horas, para a retirada do curativo e avaliação médica. Os próximos retornos serão marcados posteriormente, de acordo com a evolução do paciente.

Cuidados antes da otoplastia

Quem vai fazer uma otoplastia precisa ficar atento ao surgimento de infecções no ouvido, pois estas podem provocar infecções na cartilagem da orelha, comprometendo assim o resultado final do procedimento.

Em alguns casos podem até mesmo surgir outras deformidades. Quem está com infecções em outros locais do corpo também não devem realizar o procedimento.

A mesma precaução vale para aqueles que estão com gripes muito intensas, infecções urinária e amigdalites. Além disso, ter hipertensão e diabetes não controladas pode ser um risco à saúde.

 

Leave a Reply