Zumbido no ouvido

Zumbido no ouvido
Rate this post

Muitas pessoas “ouvem” certos ruídos em seu ouvido, mesmo que o ambiente esteja em silêncio. Normalmente, esse barulho constante parece vir de dentro e pode estar associado a um pouco de tontura, ocorrendo nos dois ouvidos simultaneamente ou apenas em um.

Isso se chama zumbido no ouvido e pode acometer qualquer pessoa, sendo mais comum em adultos. Apesar de ser incômodo, existe tratamento e ele é causado por uma série de coisas, até mesmo pela labirintite. Aprenda aqui o que pode fazer o ouvido zumbir e como diminuir esse sintoma.

Sintomas

 

Pode parecer óbvio que o principal sintoma é uma espécie de barulho dentro do canal auditivo. Porém, esse barulho tende a ser diferente para cada indivíduo: para alguns, ele é mais alto e pode ficar constantemente presente; para outros pacientes, ele pode ter intervalos e ser um som mais baixo.

Quem tem zumbido no ouvido também relata alguns cliques, como quando se estala o dedo, além de sons musicais: neste caso, é comum que o quadro não tenha a ver com a audição, mas sim com distúrbios de ordem psicológica. A forma como esse zumbido se manifesta pode ser simultânea ou ser acometido primeiro um lado e depois o outro.

 

O que provoca essa condição?

 

As razões para o zumbido no ouvido são distintas: pode ser um traumatismo na cabeça, a doença de Ménière, bebida em excesso, colesterol elevado, problemas no osso do ouvido, excesso de cera, problemas na articulação da mandíbula, problemas psiquiátricos, pressão alta, problemas de circulação e perda de audição devido à idade.

Outras causas possíveis para a sensação de zumbido no ouvido são tumores, problemas metabólicos, lesões no pescoço, música muito alta, mudança no metabolismo e outros.

Deve-se destacar que existem alguns remédios cujo uso prolongado podem fazer o ouvido zumbir, sendo eles os oncológicos (vincristina e mecloretamina), aspirina em excesso, antidepressivos (sertralina e fluoxetina) e antibióticos (eritromicina, vancomicina, poliximina B e neomicina).

Relação entre o zumbido no ouvido e o psicológico

 

O distúrbio de ansiedade pode causar incômodos no ouvido, inclusive os barulhos. Mesmo tendo como causa um problema psiquiátrico, cabe dizer que o sintoma é físico e que pode debilitar o paciente, sendo importante acompanhamento psiquiátrico.

Além disso, as pessoas que têm zumbido no ouvido por causas físicas também podem desenvolver ansiedade: como ficam alertas para perceber se há zumbido ou não, elas se tornam ansiosas e algumas costumam não saber mais quando se trata de impressão e quando o barulho realmente está ocorrendo.

Como se percebe, essa condição pode trazer danos psicológicos para o paciente e os que sentem tontura junto ao zumbido tendem a ficar inseguros ao sair de casa. Nesses casos, é possível que surja a síndrome do pânico e até mesmo a depressão.

 

Tratamento

 

Pode ser realizado com ansiolíticos, que servem para que os pacientes fiquem menos ansiosos e, dessa forma, reduzam o zumbido que tiver essa causa. Se o paciente tem pressão alta ou outras condições que afetem o ouvido, elas também precisarão ser tratadas, sendo importante ter uma vida saudável. Os indivíduos com esse problema auditivo devem evitar álcool, café, produtos com cafeína, cigarros e edulcorantes artificiais.

Se o zumbido é decorrente de perda auditiva, pode ser necessário o uso de aparelho auricular. Quando a causa é a circulação de sangue, os médicos podem prescrever vasodilatadores variados, além de ser primordial um sono de qualidade.

Uma terapia bastante funcional para o zumbido no ouvido é a terapia do som: o paciente recebe estímulos auditivos leves e o objetivo é diminuir a sensibilidade. Isso não significa que a pessoa terá a audição diminuída, mas sim o incômodo por causa desse tipo de som contínuo e baixo.

É possível curar-se completamente, mas os tratamentos tendem a ser combinados e, quando os bons hábitos são abandonados, há chance de o zumbido retornar. Uma pessoa que se recupera, mas deixa de dormir de forma adequada pode voltar a ter barulhos no ouvido. O mais recomendado tratamento é o Programa Restauração auditiva

 

Prevenção

 

Os pacientes podem evitar esse problema auditivo e uma das formas é retirar a cera excessiva. Indica-se usar o cotonete uma vez por semana e ele precisa ser passado de maneira leve: não se deve forçar o cotonete para dentro do ouvido, até mesmo porque isso pode levar a cera para áreas mais profundas.

É indicado também não usar fone de ouvido por muitas horas seguidas. Para quem gosta de ouvir música o dia inteiro, vale a pena retirar o fone periodicamente e deixar o ouvido livre. Também se deve tomar cuidado com o volume: quando se ouve música alta habitualmente, é possível que o canal auditivo seja danificado e que os zumbidos sejam notados.

Evitar aspirina em excesso também é importante, já que essa é uma das reações adversas que ela causa. Se a pessoa tem dores constantes, deve consultar-se com um especialista e não ministrar por conta própria esse comprimido.

 

Tratamentos naturais

 

Muitos alimentos podem acabar com o zumbido no ouvido ou reduzi-lo bastante, mas é necessário que eles sejam ingeridos regularmente. O abacaxi, por exemplo, favorece a circulação do sangue e também combate inflamações; a ginkgo biloba é outro composto que melhora o sistema circulatório, inclusive do ouvido. Normalmente, ela é comercializada em cápsulas nas farmácias ou nas casas de produtos naturais.

O alho é considerado um analgésico e traz conforto para quem tem zumbido no ouvido. Ele tem de ser ingerido cru e a pessoa pode chupá-lo ou colocá-lo em saladas, em torradas, etc. Contudo, destaca-se que ele não pode passar por cozimento ou pelo forno: apenas o alho cru tem essa propriedade analgésica. Outros produtos naturais que ajudam no zumbido auricular são mirra, raiz de bardana, casca de pimenta malagueta, goldenseal goma e folhas de espinheiro.

Fazer uma mistura de mel e gengibre também favorece o ouvido: uma vez que ele é usado para cuidar da garganta e essa região é conectada ao ouvido, os resultados são excelentes.  Ferve-se uma colher de mel em uma xícara de água com pedaços de gengibre: durante o dia, tomam-se algumas colheres de chá.

Leave a Reply